Pular para o conteúdo principal

Flor Cosmos & Abelhas


Saudações faéricas!

Visitei mais uma vez o cantinho que é repleto de flores cosmos (Cosmos sulphureus), mas desta vez em um horário diferente. Percebi que no período da tarde, quem gosta de visitar estas plantas são as abelhas, enquanto as borboletas aparecem no período da manhã. Não sei se esta minha afirmativa é correta, tendo em vista que fiz apenas uma pequena observação… Mas o que irei descrever nas próximas linhas são mais do que simples observações.

O cosmos não é uma planta nativa. Entretanto, se estabilizou muito bem ao clima tropical. Ela pertence a família Asteraceae, que é caracterizada por possuir flores compostas e dispersar sementes com muita facilidade. O cosmos é utilizado para ornamentação e também com o objetivo de interferir no crescimento de outras plantas que são daninhas. Este fenômeno é conhecido por alelopatia. O primeiro registro sobre a capacidade das plantas interferirem no desenvolvimento de outras foi feito por Theophastus, discípulo de Aristóteles.

A sua cor amarelada/alaranjada, sua facilidade para se desenvolver/reproduzir e ser uma das plantas que atrai bastante abelhas, fazem dela um ser muito querido por mim!

Algumas características morfológicas:

  • -caule verde canaliculado, com manchas avermelhadas e esparsa pilosidade
  • – folhas opostas com limbo dotado de numerosos recortes profundos que atingem a nervura central, e cujas margens
    também são recortadas
  • – pecíolos verdes ou avermelhados
  • – inflorescência axilar e terminal do tipo capítulo longo-pedunculado
  • – capítulos rodeados por um invólucro de brácteas foliáceas, semelhante a um cálice,
    e um segundo invólucro com aproximadamente oito brácteas muito desenvolvidas, de ápice tridentado e de
    coloração alaranjada, semelhante a uma corola
  • – flores centrais tubulosas com a mesma cor das brácteas
  • – fruto aquênio escuro, provido de pelos plumosos
  • – propagação por meio de sementes

 

As abelhas são insetos com uma forma de ver o mundo bem diferente da nossa. Elas são capazes de ver outras cores dentro do espectro ultravioleta, por isso elas gostam de visitar as flores que para nós humanos, enxergamos como a cor amarela.

A felicidade da pessoa por rever grandes amigas! hihi

Obrigada pela visita ♡

Manhã com borboletas e abelhas ♡


Saudações faéricas!

15 de maio de 2017

Hoje o dia estava muito quente. Os raios solares radiavam mais que nos demais dias de maio e isso fez com que eu pudesse apreciar melhor algumas borboletas, abelhas e outros insetos. As flores da família Asteraceae dominavam um espaço de terra suficiente para embelezar o lugar. Esta família botânica é considerada uma das mais bem sucedidas por possuir uma excelente capacidade de dispersão através de suas sementes aladas (meu tipo de semente preferida!).

A planta da espécie Galinsoga parviflora é bastante comum nos trópicos e eu já observei que ela atrai muitas abelhas e outros insetos. Deve ser delicioso o seu néctar! Não se sabe ao certo sua origem geográfica, mas ela conseguiu se dispersar para América do Sul. Como todas as plantas desta família, suas flores são extremamente pequenas e é cercada por brácteas.


A borboleta que estava se saboreando da littleflower foi da espécie Ascia monuste. É uma borboleta de coloração branca que pode variar para um amarelado clarinho e com bordas marrons escuras que parecem que foram esfumaçadas. Costuma depositar seus ovos nas folhas das plantas que gosta de visitar, sua pupa pode se instalar nas folhas ou na terra. A lagarta desta espécie adora comer couve hehe.



A abelha que encontrei hoje é tão pequenininha que é preciso ser bastante observadora e silenciosa. Infelizmente não sei identificá-la, mas sei o quão importantes as abelhas são para a Terra e seus mais variados habitantes. As plantas nativas tem papéis fundamentais para o equilíbrio ecológico do ambiente. Um de seus nichos é oferecer abrigo e alimento para insetos polinizadores como as abelhas.



Obrigada pela visita ♡

Diário de uma Naturalista


Saudações faéricas!

11 de maio de 2017

Hoje caminhei por um jardim às 7:00 horas da manhã. Avistei flores xananas (Turnera ulmifolia), abelhas arapuá (Trigona spinipes), cogumelos (gênero Psilocybe) e borboletas, infelizmente destas eu não consegui fotografar. Durante o percurso até o jardim havia um arco-íris muito intenso. O clima estava agradável, bastante úmido e não fazia calor. Ouvi pássaros cantando na copa das árvores.

A flor xanana é bastante comum onde moro. É uma planta nativa que os insetos adoram (eu também), principalmente abelhas e borboletas. Possui uma capacidade de dispersão excelente e transforma qualquer pedaço de terra em um verdadeiro campo de flores. Eu fico muito triste quando cortam estas plantas.



A abelha arapuá é tipicamente brasileira, não possui ferrão e é considerada agressiva por atacar outras abelhas e destruir seus ninhos. Dizem que seu mel é muito saboroso, mas eu não arriscaria tomá-lo sem uma higienização antes porque esta espécie coleta resíduos fecais de outros animais. Ela também costuma cortar o botão floral das plantas para chegar perto do néctar.


Arapuá from Mia on Vimeo.


Arapuá & Xanana from Mia on Vimeo.

Os cogumelos do gênero Psilocybe segundo Escobar (2008) são utilizados por culturas tradicionais indígenas há milênios em rituais mágicos devido aos seus efeitos psicoativos. O efeito alucinógeno se dá devido as substâncias denominadas de psilocina e psilocibina.



Obrigada pela visita ♡