Pular para o conteúdo principal

Carta da Nina e uma História


Saudações faéricas!

Neste último final de semana eu recebi a carta da minha amiga e irmã-girassol, a Nina. Ela é uma pessoa muito adorável, sensível e sábia. E isso se reflete em suas cartinhas e no seu modo de ver o mundo. Ela escreveu para mim uma história tão fofa sobre uma fada e seu amigo pirilampo que aqueceu o meu coração por ser muito linda e simples. Além de ter me enviado incensos, adesivos, chás e uma pulseira com minhas cores favoritas! Ela me permitiu deixar a história aqui e acho que vocês também irão gostar muito!




Em um lugar não muito distante, entre pinheiros e árvores frutíferas, vivia uma moça. Certo, não sei bem se era uma moça… Ela era muito confundida com uma fada, pois estava sempre misturada àquele povo de asas translúcidas, pronta para ajudar.

Todos a conheciam como Mi-lavandel, a guardiã da natureza. Vivia em uma casa pequenina, que cheirava a alfazema, biscoitos quentes e mel.

Seus dias eram preenchidos pela companhia dos seres da floresta.

Brilhos e Pirilampos

Era uma noite de céu limpo e Mi-lavandel, sentada em sua mesa, costurava gorros quentinhos para os ursos que viviam do outro lado da colina. Por um minuto, olhou através da janela e pode enxergar um pontinho em movimento. Era seu amigo vaga-lume, uma criança muito curiosa e esperta.
– Pequeno Vaga-Lume, o que faz aqui?, questionou a moça.
– Vim observar as estrelas. Elas são tão bonitas e luminosas! Eu gostaria de ser como elas…
Mi-lavandel, um tanto confusa, continuou com as perguntas:
– Por que você gostaria de ser uma estrela, meu amigo?
O pirilampo, com pensamentos carregados de sonhos, respondeu:
– Para flutuar no céu, guiar as pessoas com o meu brilho. Elas são tão bonitas e eu sou tão pequeno e feio…

Conforme a criança ia contando suas angústias, Mi-lavandel se emocionava. Porém a guardiã da floresta é muito sábia e logo teve uma ideia. Em uma das gavetas da cômoda, entre fitas e botões, ela tirou um espelho com bordas douradas e, delicadamente, pediu para o nosso amigo se olhar nele.
– Esse é você!, disse Mi-lavandel, sorridente.
– E… e… Eu estou brilhando! O que é isso? Estou piscando! Sou uma estrela!
– Oh, querido Vaga-Lume… As estrelas são uma grande inspiração, de fato. Mas às vezes precisamos parar de nos preocupar demais com o brilho de outras criaturas e olhar para o nosso. Há luz dentro de nós!

Aquilo tudo era novo para o pirilampo, mas ele pôde compreender. Retirou-se alegre e brilhante da janela cheia de lavandas. E srta. Lavandel, preenchida de luz, voltou a costurar.

Nina, 2017.

Obrigada pela visita ♡

Sobre encontrar a felicidade em contratempos


Saudações faéricas!

Na manhã deste domingo fui viajar com a família a um sítio. Mas não conseguimos chegar no destino, pois a estrada de barro estava muuito molhada e o carro até atolou. Apesar deste contratempo, eu fiquei bem feliz pois consegui fotografar um pouco da natureza que havia ao lado da estrada.
Muitas flores silvestres, pássaros, borboletas, abelhas e outros insetos se faziam presentes. O local havia um campo repleto de Mimosa pudica e foi lá que consegui filmar uma abelhinha. O meu dia não foi como imaginei que seria… Porém eu gosto de procurar beleza nos momentos que talvez possam me aborrecer e por isso o meu dia foi até mais incrível de como a minha imaginação criou!












 

Obrigada pela visita ♡

Aventuras de Luli, O Rato


Saudações faéricas!

Na tarde de ontem fiquei aquarelando enquanto ouvia músicas dos filmes Ghibli (amo fazer isso). Acabei fazendo uma história curtinha e ilustrada sobre um rato que vive aventuras durante o dia, mas ama voltar para casa porque para ele não há lugar mais aconchegante que sua própria toca.



Luli ama comer amoras no café da manhã


Em dias ensolarados passeia pelos campos de flores


Brinca com seu amigo Esquilo


No fim do dia volta para sua toca, que para Luli é ainda o melhor lugar do mundo.

Obrigada pela visita ♡

A Vida nos Bosques


Saudações faéricas!

Existe um livro que eu me identifico quase que completamente, este livro se chama Walden, Ou A Vida nos Bosques, de Henry David Thoreau. É uma autobiografia do autor durante os anos que ele viveu ao lado do lago Walden, em Concord – Massachusetts.

O sr. Thoreau decidiu abandonar a cidade grande para viver em um bosque. Ele construiu sua casinha com madeiras do próprio local, plantou feijões e outras plantinhas para consumo, e viveu por lá durante várias estações. O autor no primeiro capítulo nos conta seus motivos de ter preferido viver de forma não “civilizada” perante a sociedade do século XIX. Naquela época as pessoas que viam a vida de forma diferente eram duramente criticadas e perseguidas. Thoreau foi bastante criticado, principalmente após publicar este livro. Porém ele foi uma pessoa autêntica e viveu da forma como quis sem se importar com os olhares tortos da sociedade.

Ele não faz apenas críticas a sociedade daquela época. Ele também escreve sobre a simplicidade, a natureza, alimentação e outros assuntos. Meus assuntos preferidos é quando ele descreve a fauna e a flora local… Os bichinhos que ele observava e até um passarinho que pousou em seu ombro!

E por que eu me identifico tanto com este livro? Porque assim como o autor, sinto imensa necessidade de estar com a natureza. Mas por enquanto eu ainda não reuni força de vontade suficiente para deixar a urbanização. Apesar dessa minha conformidade, eu procuro sempre visitar matas e jardins, explorar qualquer pedacinho de terra que tenha árvores, flores, insetos, pássaros… Identifico-me também com a forma de ver a simplicidade e de como eu me detesto quando percebo as minhas futilidades, mas estou sempre buscando valorizar o que é essencial.

 

Logo me descobri vizinho dos pássaros; não por prender algum deles, mas por ter me engaiolado perto deles.”

 

Obrigada pela visita ♡

Caçadora de sutilezas


Saudações faéricas!

Uma criaturinha pequena e imperceptível gosta de vagar pelos jardins e florestas a procura de belezas ocultas que lhe encantem. Fragmentos esquecidos em um cantinho do universo. Sons quase silenciados pelo barulho da vida humana civilizada.


Em uma destas caminhadas havia uma flor brotando de tijolos e dando cor para aquele pálido lugar.


Uma borboleta da cor do outono se fazia presente onde outrora fora verde. Mas não perdeu a esperança de polinizar mais um cantinho de terra desnuda.


Um aviso de que a vida esteve presente nesta vastidão. Lebrando-nos de que as criaturas desimportantes possuem tarefas importantes.


E haverá sempre um pouco de cor para quem souber em qual direção olhar.


É que da bem-aventurança e da alegria na vida há pouco a ser dito enquanto duram; assim como as obras belas e maravilhosas, enquanto perduram para que os olhos as contemplem, são registros de si mesmas; e somente quando correm perigo ou são destruídas é que se transformam em poesia.” – O Silmarillion, J.R.R. Tolkien

Obrigada pela visita ♡

Adivinha quanto eu te amo?


Saudações faéricas!

Eu sou muito apaixonada pelas ilustrações da Anita Jeram! Um dos livros infantis mais fofos que já li foi ilustrado por ela. Ela desenhou e aquarelou muitas lebres e coelhos. “Guess How Much I Love You” ou em português “Adivinha Quanto Eu Te Amo” é um livro que todas as crianças deveriam ler e poder possuir, e seria ainda mais mágico se os pais lessem para elas.

Quando eu penso na simplicidade, eu percebo que ela esconde grandes tesouros. É um livro singelo, mas isso não é nenhum defeito. Ele conta a história de duas lebres: Big Nutbrown Hare e Little Nutbrown Hare. Não sabemos se os personagens trata-se de um pai e filho, ou mãe e filho, ou dois irmãos… O mais tocante é o amor que há entre eles e que uma família é feita de amor, independente de como sejam seus integrantes. Vocês conseguem adivinhar o quanto as lebres se amam?





Obrigada pela visita ♡

Brambly Hedge


Saudações faériecas!

Estou com saudade de ver a luz do Sol, de sentir calor… Aguardo ansiosamente pelo Equinócio de Primavera! Enquanto 22 de setembro não chega, leio um pouco sobre uma história da primavera e aprecio as ilustrações de uma das ilustradoras que mais amo, a Jill Barklem!

Jill Barklem escreveu e ilustrou a vida de ratinhos ingleses em uma coleção de histórias (Spring, Summer, Autumn, Winter, The Secret Staircase, The High Hills, Sea Story e Poppy’s Babies). A família de ratinhos vive em uma cerca perto de um riacho e eles passam por tantas aventuras acolhedoras e tudo é tão encantador por se passar em cada estação. Suas ilustrações são de aquarela e ricas em detalhes! Queria ser pequena o suficiente para viver nos tocos de árvores feitos pela Senhora Barklem.







Obrigada pela visita ♡

Carta da Mel


Saudações faéricas!

Nesta semana eu recebi a carta da Mel. Uma carta toda fofa, como tudo que ela faz hihi. A Mel adicionou muitas ilustrações de corujas, inclusive uma que vinha com minha espécie favorita de mariposa (Actias luna) pois estes bichinhos faz ela se lembrar de mim. Adorei saber que sou associada a um dos meus animais favoritos! Também adorei ter conhecido novos ilustradores: Katie Daisy e Jim Kay.



Eu amei estes detalhes ♡


Obrigada pela visita ♡

Pássaro Robin ♡


Saudações faéricas!

Eu sou completamente apaixonada por pássaros robins e eu estou sempre fazendo alguma representação deste pássaro tão encantador! Amo a paleta de cores desta espécie e minhas ilustradoras preferidas também já fizeram representações dele em suas obras. Há uns dias atrás fiz meu segundo bordado de robin e eu acredito que esse foi o mais bonitinho que consegui fazer até o momento. Espero que gostem.

Obrigada pela visita ♡

The Art Of My Neighbor Totoro


Saudações faéricas!

De todos os personagens do Studio Ghibli o que eu mais amo é o Totoro! Ele é um monstro, mas é um monstro bonzinho, gentil, engraçado e adora cochilar na sua toca na floresta.

Hayao Miyazaki neste livro relata que gostaria de produzir um filme emocionante que não apenas entretesse quem o assistisse. Gostaria que o espírito do filme fizessem os adultos relembrarem sua infância e que inspirasse as crianças a serem exploradoras, escalassem árvores…

Apesar desse livro ser muito mais técnico, eu me encantei demais com as sketches aquareladas do filme e toda a produção, como uma animação é feita (mesmo sem entender nada haha). Eu percebo que muito de suas produções tem alguma metáfora sobre a natureza e essa é uma das coisas mais lindas sobre o trabalho do Miyazaki e Studio Ghibli.

Obrigada pela visita ♡

Caçadora de Livros


Saudações faéricas!

Eu amo procurar por livros em sebos e livrarias, tanto virtualmente como presencialmente. Considero-me uma caçadora de livros, pois sempre estou encontrando algo raro e precioso. Em uma de minhas aventuras tive a imensa sorte de achar o livro A Alegria de Viver Com A Natureza (The Country Diary of an Edwardian Lady) da minha amada Edith Holden. Consegui esta edição em português e dei vários pulinhos quando esta chegou na Rua dos Passarinhos Azuis.

Edith Holden foi uma naturalista e ilustradora de livros infantis, da natureza e também professora que viveu entre os anos de 1871 até 1920. Ela viveu na Inglaterra e teve a ótima ideia de fazer um diário sobre a natureza do local em que morava. Uma destas anotações é o livro chamado de The Country Diary of an Edwardian Lady, publicado pela primeira vez em 1977. No entanto, Edith ganhou notoriedade apenas após muito tempo de seu falecimento, através do The Country Diary. Desde que conheci o seu magnífico trabalho há alguns anos, me encantei completamente!

Obrigada pela visita ♡

Manhã com borboletas e abelhas ♡


Saudações faéricas!

15 de maio de 2017

Hoje o dia estava muito quente. Os raios solares radiavam mais que nos demais dias de maio e isso fez com que eu pudesse apreciar melhor algumas borboletas, abelhas e outros insetos. As flores da família Asteraceae dominavam um espaço de terra suficiente para embelezar o lugar. Esta família botânica é considerada uma das mais bem sucedidas por possuir uma excelente capacidade de dispersão através de suas sementes aladas (meu tipo de semente preferida!).

A planta da espécie Galinsoga parviflora é bastante comum nos trópicos e eu já observei que ela atrai muitas abelhas e outros insetos. Deve ser delicioso o seu néctar! Não se sabe ao certo sua origem geográfica, mas ela conseguiu se dispersar para América do Sul. Como todas as plantas desta família, suas flores são extremamente pequenas e é cercada por brácteas.


A borboleta que estava se saboreando da littleflower foi da espécie Ascia monuste. É uma borboleta de coloração branca que pode variar para um amarelado clarinho e com bordas marrons escuras que parecem que foram esfumaçadas. Costuma depositar seus ovos nas folhas das plantas que gosta de visitar, sua pupa pode se instalar nas folhas ou na terra. A lagarta desta espécie adora comer couve hehe.



A abelha que encontrei hoje é tão pequenininha que é preciso ser bastante observadora e silenciosa. Infelizmente não sei identificá-la, mas sei o quão importantes as abelhas são para a Terra e seus mais variados habitantes. As plantas nativas tem papéis fundamentais para o equilíbrio ecológico do ambiente. Um de seus nichos é oferecer abrigo e alimento para insetos polinizadores como as abelhas.



Obrigada pela visita ♡

Como eu gosto do meu livro de histórias


Saudações faéricas!

Como Eu Gosto do Meu Livro de Histórias foi escrito e ilustrado por Anita Jeram. Ela é uma ilustradora e escritora de livros infantis. Ela recebeu conhecimento por ilustrar um livro de Sam McBratney chamado “Guess How Much I Love You” que em português ficou “Adivinha Quanto Eu Te Amo”. Qualquer dia desses eu faço uma publicação sobre esse livro que é muito, muito amorzinho!

Nesta história há um coelho fofinho que ama ler! Ele ama entrar em seu livro e visitar seus amigos: as fadas, gigantes, unicórnios, uma princesa e entre outras criaturas mágicas da floresta. Ele adora fazer diversas coisas com seu livro. O Coelho e seu livro de histórias são amigos inseparáveis! Afinal, qual leitor não se identificou com esse nosso amigo, não é mesmo? Eu me identifiquei muito.



Obrigada pela visita ♡

Diário de uma Naturalista


Saudações faéricas!

11 de maio de 2017

Hoje caminhei por um jardim às 7:00 horas da manhã. Avistei flores xananas (Turnera ulmifolia), abelhas arapuá (Trigona spinipes), cogumelos (gênero Psilocybe) e borboletas, infelizmente destas eu não consegui fotografar. Durante o percurso até o jardim havia um arco-íris muito intenso. O clima estava agradável, bastante úmido e não fazia calor. Ouvi pássaros cantando na copa das árvores.

A flor xanana é bastante comum onde moro. É uma planta nativa que os insetos adoram (eu também), principalmente abelhas e borboletas. Possui uma capacidade de dispersão excelente e transforma qualquer pedaço de terra em um verdadeiro campo de flores. Eu fico muito triste quando cortam estas plantas.



A abelha arapuá é tipicamente brasileira, não possui ferrão e é considerada agressiva por atacar outras abelhas e destruir seus ninhos. Dizem que seu mel é muito saboroso, mas eu não arriscaria tomá-lo sem uma higienização antes porque esta espécie coleta resíduos fecais de outros animais. Ela também costuma cortar o botão floral das plantas para chegar perto do néctar.


Arapuá from Mia on Vimeo.


Arapuá & Xanana from Mia on Vimeo.

Os cogumelos do gênero Psilocybe segundo Escobar (2008) são utilizados por culturas tradicionais indígenas há milênios em rituais mágicos devido aos seus efeitos psicoativos. O efeito alucinógeno se dá devido as substâncias denominadas de psilocina e psilocibina.



Obrigada pela visita ♡

Passarinhos


Saudações faéricas!

Para celebrar o dia da nossa amada casa, a Terra, selecionei minhas fotografias preferidas de passarinhos que eu não lembro de ter publicado anteriormente.







Obrigada pela visita ♡

Aquarela e Outono


Saudações faéricas!

Hoje o dia está tão claro e quente, comecei a folhear alguns livros e me deparei com um sobre Claude Monet e suas pinturas que deu-me uma vontade imensa de pintar, aquarelar… Peguei meus pincéis e tintas e fiz um desenho inspirado no outono.






Obrigada pela visita ♡

A Tale for Easter – Tasha Tudor


Saudações faéricas!

Hoje eu despertei muito confusa, pois nesta última sexta eu desejei Feliz Páscoa às pessoas… Mas é hoje o dia de Páscoa! Então espero que o seu domingo seja repleto de chocolates.


Este livro da Tasha Tudor é puro amor, afinal o que este ser humano não fez que fosse um amorzinho? O conto começa assim “Você nunca pode dizer o que pode acontecer na Páscoa. Você não está sempre certo quando ele está chegando, mesmo que você vá para a Escola Dominical”. Como podem ver, ler Tasha Tudor é fazer uma viagem no tempo e como é deliciosa esta viagem! Se as crianças tiverem sido boas durante o ano, na noite de Páscoa elas sonharão com as coisas mais lindas, é a partir daí que nossos olhos começam a se maravilhar com as ilustrções delicadas da Senhora Tudor. Eu separei algumas que mais me encantaram.





Obrigada pela visita ♡

O Hobbit – J.R.R Tolkien


Saudações faéricas!

Ser um hobbit é gostar de estar no sossego de sua toca, esperar pela hora das refeições, fumar um cachimbinho diante da lareira, cultivar um jardim… Viver em plena tranquilidade e conforto. Contudo, um mago surgiu na vida de Bilbo Bolseiro o designando uma tareja, uma aventura da qual irá marcar para sempre o nosso querido hobbit.

Bilbo com muita relutância, pois não queria perder a hora do jantar, é persuadido por Gandalf (o mago) e decide então partir rumo a sua aventura a qual encontrou e conheceu anões, elfos e também uma criatura bem estranha chamada Gollum, entre outras criaturas estranhas.

As aventuras nos deixam marcas eternas, cada pedacinho de terra que caminhamos deixa um pouco delas em nós e um pouco de nós ficam gravadas nelas. Não foi diferente com o hobbit Bilbo.

Sou bastante grata ao Tolkien por ter criado um mundo de fantasia que eu gosto tanto de me refugiar de vez em quando. ♡

Obrigada pela visita ♡