Eu gostaria muito de escrever um pouco sobre uma das minhas ilustradoras favoritas! Não lembro como a conheci, mas no momento em que vi uma ilustração sua senti-me muito encantada com a delicadeza de suas aquarelas. Ela me inspira a continuar estudando ilustração científica e a explorar na natureza a procura de tesouros para serem fotografados e depois transformados em pinceladas num papel.

Considero-me uma pessoa bastante pacata, que prefere estar no aconchego de seu quarto do que em lugares com muitas pessoas e que não param de falar. Gosto de fazer minhas atividades favoritas como desenhar, pintar, estudar, cozinhar, cuidar das plantas e sempre aprender algo novo!

Então é por aí que começo a me identificar com a Edith Holden, pois ela gostava de estar do lado de fora para apreciar a natureza e desenhá-la. Tenho muita vontade de que essa atividade se torne frequente, mas eu não moro perto dos lugares que costumo explorar e também não consigo ter o tempo suficiente para desenhar nas minhas caminhadas por entre as árvores (sem mencionar a violência). Mas quem sabe algum dia eu consiga fazer isto e venho aqui mostrar o que consegui desenhar?

Estas damas do passado também me inspiram no modo de se vestir, no ritmo paciente de levar a vida assim como a natureza. Tudo que é belo leva o seu tempo… Uma semente sempre tem o seu próprio tempo para germinar. Toda a vida funciona desta maneira. É deste modo que vemos uma variedade de belezas, nas cores, formas, texturas, aromas…

Já escrevi um pouco sobre ela e um de seus livros nesta publicação.

Ela foi uma inglesa, trabalhou como professora de arte e ilustradora de livros infantis e também fazia cartões postais. Apesar de todo o seu trabalho, nunca tinha publicado um livro até 1977. Porém finalmente o seu diário de campo foi publicado. Este diário é repleto de aquarelas, citações, poemas e anotações naturalistas sobre um ano inteiro de suas observações pelo o campo inglês.

Esta biografia da eduardiana Edith há bastantes ilustrações inéditas, com detalhes nas páginas com seus desenhos, fotografias da família, árvore genealógica… É um livro riquíssimo, pois ao abri-lo quase posso sentir um ar de campo, família e simplicidade.

Apenas sinto uma imensa vontade de caminhar por lugares arborizados, silenciosos, só ouvir os pássaros, as cigarras, os grilos, os sapos… Sentir a grama fofinha sob os pés, perfume de rosas… Estar com a imaginação borbulhando para escrever histórias, ilustrá-las… Sentir aquele sono de ter andado muito sob a luz solar.

Obrigada pela visita ♡