“dotados de uma leveza que lhes permitem pairar no ar como um sonho”

Este livro é o resultado de um trabalho paciente realizado durante oito anos pelo Johan Dalgas Frisch juntamente com o seu filho, Christian. Juntos estudaram quais plantas e em que período de inflorescência eram capazes de atrair beija-flores. Esta pesquisa começou quando Dalgas, Birte e Christian observaram que vários colibris visitavam seu quintal após eles terem plantado várias espécies diferentes de árvores e flores. A ideia era transformar o quintal em um lugar onde pudessem conviver com os pássaros. Mas ficaram surpresos com a frequência constante dos colibris.

As aves que adquirem sua principal fonte de alimentação das plantas desenvolveram uma relação de simbiose com elas, onde ambos se beneficiam. Essa relação passou por processos de seleção natural, sofrendo adaptações evolutivas em sua estrutura e fisiologia. Um exemplo é a estrutura do bico e da língua do beija-flor que alcançam o néctar de flores de estrutura tubular. Quando isso ocorre costuma-se dizer que estes organismos coevoluíram. Esta coevolução de aves e plantas possuem dois tipos de interação: consumidores de frutos, que ao mesmo tempo, propagam suas sementes, e como consumidores de néctar, que polinizam as flores. Muito antes dos beija-flores se tornarem aves nectívoras, eles se alimentavam de insetos. Esta afirmação é corroborada pelo fato dos filhotes serem alimentados com grandes parcelas de proteínas, fornecidas pelos insetos e pequena quantidade de carboidrato, fornecido pelo néctar. Outra conjutura sobre a mudança observada é que eles descobriram que o néctar também atrai insetos, então os colibris caçam estes insetos que ficam por perto néctar. Eu já observei estas aves caçando formigas.

Curiosidades:

  • beija-flores voam com as mãos, diferentemente das outras aves que voam com os braços.
  • a frequência de vibração das asas pode atingir 50 a 70 vezes por segundo. Algumas espécies do gênero Calliphox alcançam 80 batidas de asa por segundo, produzindo um som semelhante ao de abelhas de grande porte.
  • possuem a capacidade de digerir insetos em menos de dez minutos.
  • durante a noite, os colibris entram em um sono letárgico para preservar sua energia e apenas despertam no dia seguinte quando sua temperatura corporal atinge 30C.
  • o espetacular colorido dos beija-flores, em cuja plumagem os tons metálicos rivalizam com iridescências diamantinas, origina-se do fenômeno da refração da luz, através da microestrutura das penas. As mudanças de cores, observadas numa mesma ave, variam de acordo com o ângulo de incidência da luz solar, ou com a movimentação do corpo.
  • são dotados de possantes glândulas salivares, de onde extraem abundante secreção para a amálgama dos referidos materiais.

 

Flores que já observei beija-flores:


 

“Cada vez que parávamos para prestar atenção nas avezinhas, nossas mentes se libertavam das preocupações cotidianas e nos permitiam mergulhar numa sensação maravilhosa, compartilhada por quem aprecia as coisas vivas que nos cercam.”

Obrigada pela visita ♡