Caçadora de sutilezas

15 de agosto de 2017

Saudações faéricas!

Uma criaturinha pequena e imperceptível gosta de vagar pelos jardins e florestas a procura de belezas ocultas que lhe encantem. Fragmentos esquecidos em um cantinho do universo. Sons quase silenciados pelo barulho da vida humana civilizada.


Em uma destas caminhadas havia uma flor brotando de tijolos e dando cor para aquele pálido lugar.


Uma borboleta da cor do outono se fazia presente onde outrora fora verde. Mas não perdeu a esperança de polinizar mais um cantinho de terra desnuda.


Um aviso de que a vida esteve presente nesta vastidão. Lebrando-nos de que as criaturas desimportantes possuem tarefas importantes.


E haverá sempre um pouco de cor para quem souber em qual direção olhar.


É que da bem-aventurança e da alegria na vida há pouco a ser dito enquanto duram; assim como as obras belas e maravilhosas, enquanto perduram para que os olhos as contemplem, são registros de si mesmas; e somente quando correm perigo ou são destruídas é que se transformam em poesia.” – O Silmarillion, J.R.R. Tolkien

Obrigada pela visita ♡

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem comentários.